10/08/2015

UM POEMA REFUGIADO

Homens refugiados sem direção                                    
Caminham para fugir do medo
No degredo não têm a condição
Arrastam-se famílias dizimadas
Espezinhadas sem ter uma nação
Noção de angústia dor e covardia
Tarde se arrepia uma falsa moral
Sociedade que não ama por igual
Tudo é a hipocrisia das lágrimas
Há crocodilos que riem sem parar
Para chorar uma criança que morre
Faz-se uma reza vendem-se jornais
Com notícias cruas vagas e fatais
Que animam a humanidade canibal
A vergonha anda por aí distraída
Em francas orgias de dinheiro rival

mongiardimsaraiva

2 comentários:

  1. CRUEL E INMORAL !!!JUSTICIA DIVINA JUZGUE actitud de RESPONSABLES !!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Nora! Lisonjeado com o seu comentário... Saudações poéticas!

    ResponderExcluir